Quinta-feira, 25 de Abril de 2019

Perspectiva sobre Abril

Perspectiva sobre Abril.jpg

A revolução do 25 de Abril prejudicou muitas pessoas, que nunca esquecerão o ressentimento e beneficiou muitas outras que sempre a idolatrarão.

Como podem os repatriados, retornados e refugiados das colónias ou províncias ultramarinas esquecer os vexames que passaram, os companheiros assassinados e os bens de uma vida que tiveram de abandonar?

Como podem aqueles que por protestarem por não ter salário justo ou comida para pôr na mesa foram encarcerados em Caxias, Peniche, sem julgamento e depois de torturados?

A lista é longa e sem fim ou conclusão, para qualquer das perspectivas.

 

Apetece-me pensar em Francisco Sá Carneiro, Francisco Pinto Balsemão, Mota Amaral, Joaquim Magalhães Mota, Miller Guerra, Pinto Leite, deputados eleitos nas listas da Acção Nacional Popular, partido do Estado Novo, sob a batuta do Presidente do Conselho Marcelo Caetano. Dentro do regime, anticomunista e antidemocrático, nas palavras de Oliveira Salazar, eles levantaram a voz contra o regime e esses discursos foram publicados na Seara Nova que se vendia em qualquer banca de jornais.

 

Hoje não há quem tenha frutos da horta para levantar a voz na Assembleia da República contra o partido que o elegeu e lhe providencia sustento. Talvez precisamente porque não estão a prestar serviço público mas a trabalhar para o partido ou para fazerem nome e ganharem reforma.

 

Apetece-me pensar no significado que têm nesta reflexão Cristiano Ronaldo e Eusébio da Silva Ferreira. Além de ser grande em todo o mundo, Ronaldo faz Portugal grande em todo o mundo, em primeiro lugar porque repete os maiores feitos da nossa História ao levar o nome de Portugal a todos os lugares habitados da Terra, tal como os heróis navegadores, descobridores e evangelizadores. Isto é fruto da liberdade que nasceu com a Revolução do 25 de Abril. Eusébio foi proibido por Salazar, como atesta a História de emigrar e levar mais longe o nome de Portugal.

Antes exportámos mão-de-obra de muito boa qualidade, mas essencialmente barata e não qualificada. E o regime abatia a tiro aqueles que atravessavam a fronteira a salto por não conseguirem autorização para emigrar. Fosse Eusébio, fosse um analfabeto bruto do interior beirão.

Hoje até há tolos governantes a incitar à emigração a nata da portugalidade, os jovens altamente qualificados e muito bem recompensados e remunerados no estrangeiro. Como se explica que exportemos médicos para os países mais desenvolvidos do mundo e importemos médicos de países do terceiro mundo ou de universidades que nem figuram nos rankings?

 

Olhemos para os nossos jovens. Quem concordaria hoje em enviá-los para teatros de guerra, com alta probabilidade de morrerem, depois de se atirarem para a frente de combate em consequência de serem drogados? Quem concordaria hoje em enviar os filhos para a selva violar mulheres e castrar homens? Os tempos são outros, mas antes, como hoje, falamos de pessoas, de filhos de Deus.

 

São apenas reflexões, porque as explicações e justificações estão na posse das multinacionais e transnacionais que escravizaram os portugueses negros em Angola e Moçambique, principalmente, sugaram o ouro, os diamantes e todas as riquezas que eram portuguesas pela legalidade internacional e fruto do trabalho dos nossos irmãos que nessas terras nasceram, como tinham nascido os seus pais, avós… O governo de Lisboa foi impotente, estava castrado, para defender a sua riqueza, em favor da Pátria e dos povos de quem se queria fazer defensor.

 

Os portugueses ficaram por maiores esclavagistas do mundo, mas a central exploradora e cofre dos lucros da escravatura estava em Londres, nessa Londres que apupou Marcelo Caetano, como se o governante português fosse mais colonialista que a Rainha Vitória e todos os reis e rainhas e governos britânicos.

 

Há uma reflexão grande a fazer sobre o 25 de Abril, num contexto que tem de recuar, pelo menos, até à queda da monarquia.

Terminamos com uma comparação. A Primeira República envolveu o país em guerras, desterrou trabalhadores e sindicalistas para as colónias e levou o país à bancarrota. Portugal não foi ocupado, tomado e dividido por espanhóis, ingleses e outros, porque Salazar esteve, bem ou mal, melhor, bem e mal, ao leme. Mas quando o país foi salvo de Salazar veio de Sócrates e teve de vir Passos Coelho, figura que abomino, mas que teve uma acção de regeneração contabilística idêntica a Salazar.

 

Conseguimos irritar quase todos, com este texto, porque a verdade dói.

 

Orlando de Carvalho

 

publicado por nivelar-por-cima às 22:33

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Certificado de Pessoa Hon...

. INQUÉRITO DE VIDA

. Os novos doutores e o 3º ...

. Perspectiva sobre Abril

. Igreja e Jovens

. Família sem Terceira Idad...

. Modernização na Câmara de...

. Roubar idosas e crianças ...

. A pseudo-História

. TVI 24 censura Ricardo Ar...

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Novembro 2018

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Fogo em Alcafache

blogs SAPO

.subscrever feeds