Segunda-feira, 17 de Julho de 2017

Miguel, meu querido neto

de costas segmento.jpg

Miguel, meu querido neto,

Esta carta é para ti especialmente.

Quero bastante que entendas, desde muito cedo, que a vida, a vida de todos e a tua vida, a vida está repleta de agruras e doçuras, mas será sempre mais nivelada, sem canseiras nem tropeços se nós não a complicarmos nem nos deixarmos enredar nas complicações que outros criam para nós e por nós.

 

Apenas a Palavra de Deus nos pode ajudar a entender o significado verdadeiro dos gestos e atitudes com que nos deparamos no quotidiano, feitos por nós ou pelos outros.

Muito do que dizemos e fazemos parece ser por intuição, sem que o consigamos explicar e quando tentamos, a explicação ainda nos atrapalha mais. Da mesma maneira, quando julgamos os outros – e passamos a vida a julgar, às vezes a elogiar, mas normalmente a condenar – a maior parte das vezes erramos, porque em vez de usarmos como termo de comparação a Palavra de Deus, sempre tolerante e misericordiosa, usamo-nos a nós mesmos, exigindo aos outros que sejam como nós idealizamos que deviam ser. Mas nós somos pouco mais que barro, terra, húmus, enfim, lama, estrume. Por essa razão, quando os cemitérios deixaram de ser ao lado das igrejas, e lá se instalaram hortas, elas eram tão férteis. Os nossos antepassados eram o grande segredo, os seus corpos eram o melhor fertilizante.

A Palavra de Deus chega-nos através da Sagrada Escritura, mas também nos chega por diversos outros meios. Um deles é, sem dúvida, a aceitação da realidade da Natureza e do bom senso. Sem aprofundar a questão do bom senso, toma nota que o bom senso não é aquilo que me parece ou que por qualquer razão em qualquer momento vai na minha cabeça. Vou agora falar-te de antepassados teus.

 

Antes de morrer, mas vislumbrando o fim que se aproximava inexorável, Aurora fez um pedido grave ao marido exigindo-lhe que prometesse não voltar a casar. Parecia, naquele tempo, uma história de grande amor, quais Romeu e Julieta.

A realidade foi bastante diferente de um manto de ternura, foi mesmo bastante dolorosa. João, o esposo viúvo, ficou com uma criança bebé a seu cargo. Um dia tomou-se de amores por Laura mas manteve-se fiel ao juramento que fizera a Aurora na hora da morte. Laura dormia umas noites em sua casa, outras em casa de João, vivia na obscuridade perante os vizinhos que a viam entrar e sair. Nunca conseguiu aceitar Maria, o fruto do amor entre Aurora e João e sempre lhe fez a vida negra, contribuindo e criando um mau ambiente entre pai e filha. João nem sequer foi ao casamento da filha. E manteve a relação amorosa até à hora da morte como se de uma vergonha que precisasse esconder se tratasse.

Maria aprendera bem a lição de que não é lícito deixar em testamento desejos íntimos que obriguem os que ficam a viver situações dolorosas e fúteis. Ela deixou bem explícito que, caso morresse antes do seu marido e seu grande amor, Amadeu, era sua opinião e desejo que ele voltasse a casar e tivesse um lar estável. Assim aconteceu. Amadeu tomou Margarida como sua segunda esposa. Não foi fácil aos filhos Ana e Luís aceitarem esta decisão do pai, mas além de preceder do desejo expresso pela mãe, era também a vontade do pai. E a família teve um tempo de alguma tranquilidade que sucedeu ao luto.

Mais tarde, muitos anos depois, venenos de escorpiões e de serpentes lançaram conflito dentro da família. Familiares próximos de Amadeu induziram Ana contra o pai alegando que ao tomar Margarida como esposa estava a trair a memória de Maria. Ana deixou de falar ao pai e ao irmão Luís. A guerra realizada olhos nos olhos e através de mensagens de correio electrónico, pois alguns projécteis bélicos vieram do outro lado do mundo lançar ódios dentro das famílias parou quando Luís recordou a herança da mãe, o desejo, formulado décadas antes de adoecer, e morrer, que o marido deveria casar, se enviuvasse, para estabilidade familiar. Mas Ana, mercê dos tais venenos de escorpiões e serpentes, não mais falou com o pai nem com o irmão.

Luís também gerou filhos. Entre estes, Aurora, assim chamada como a bisavó, que enviuvou logo após casar. Miguel, tu amavas muito o teu tio que partiu tão cedo para junto de Deus e não entendes bem que ele possa ser substituído.

Ouve bem, Miguel, meu neto. O teu tio, lá em cima, no Céu, tem a possibilidade de olhar para nós. Ele olhou para a tua tia viúva e ficou angustiado. Depois de tanto amor que partilharam, ele vê agora aquela que foi a sua esposa cheia de amor para dar, mas só, uma pessoa sempre a ajudar todos, mas sem alguém a seu lado para a proteger, cuidar e amar. O teu tio, como todos no Céu, deseja mais que tudo paz e amor. Ele quer que a tua tia case de novo com a pessoa a quem ela possa amar agora e que a possa fazer feliz.

Nunca fui ao Céu, mas Jesus explicou muito bem como estas coisas se processam. Abre o teu coração e a tua mente, querido neto Miguel, e escuta as palavras do Evangelho e como Jesus, Nosso Senhor, explica com simplicidade estas coisas tão difíceis para as pessoas complicadas.

 

Certo dia, os saduceus, que afirmam que não existe ressurreição, aproximaram-se de Jesus e propuseram-Lhe este caso:

- Mestre, Moisés disse: "Se alguém morrer sem ter filhos, o irmão desse homem deve casar-se com a viúva a fim de que possam ter filhos em nome do irmão que morreu". Pois bem, havia entre nós sete irmãos. O primeiro casou-se e morreu sem ter filhos, deixando a mulher para o seu irmão. Do mesmo modo, aconteceu com o segundo e o terceiro e assim com os sete. Depois de todos eles, morreu também a mulher. Na ressurreição, de qual dos sete ela será mulher? De facto, todos a tiveram».

Jesus respondeu:

- Estais enganados, porque não conheceis as Escrituras nem o poder de Deus. De facto, na ressurreição, os homens e as mulheres não se casarão, pois serão como os anjos do Céu. E, quanto à ressurreição, será que não lestes o que Deus vos disse: "Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob"? Ora, Ele não é Deus dos mortos, mas dos vivos».

Ouvindo isto, as multidões ficaram impressionadas com o ensinamento de Jesus. (Mateus 22,23-33)

 

Como entendes agora, meu neto, no Céu não seremos mais avô e neto, seremos apenas como anjos, irmãos, filhos do mesmo pai, que é Deus. Do mesmo modo eu, o meu pai, a minha mãe e a segunda esposa do meu pai, depois de ele enviuvar, viveremos todos em torno de Deus, como anjos, louvando e dando graças a Deus nosso Pai comum por tudo o que Ele criou, por nós mesmos e pelo amor que Deus reparte continuamente connosco. Deus dá-nos gratuitamente o seu amor para que nós o demos também gratuitamente uns aos outros sem rancores, nem ódios, nem invejas, mas como Deus o dá, com misericórdia, humildade e beleza.

Louva a Deus, todos os dias da tua vida, meu neto Miguel, ama a todos com o mesmo amor que recebes de Deus, e viverás eternamente na companhia de Deus e de todos nós a quem tu amas, se também procedermos como te peço que procedas.

Ámen.

Teu avô Orlando

publicado por nivelar-por-cima às 19:34

link do post | comentar | favorito
 O que é? |
1 comentário:
De Anónimo a 17 de Julho de 2017 às 22:23
Ainda há gente a acreditar nestas lengas, lengas? Onde anda esse DEUS tão poderoso, k deixa tanto mal acontecer na terra? Td isto pra, são cantigas pra boi dormir! Como se diz na minha terra.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
29
30
31

.posts recentes

. TVI 24 censura Ricardo Ar...

. Rio Ave

. Dia de Anos

. Filarmónica Fraude

. Pressa de chegar ao céu

. Avós caducos

. Pais da geringonça luso-v...

. República de Vigaristas (...

. Em cadeira de rodas, mas ...

. Contra os pais. Contra a ...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Fogo em Alcafache

blogs SAPO

.subscrever feeds