Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

Fogo em Alcafache

Sinais do Fogo 4.jpg

 

Foi a 11 de Setembro de 1985, às 18h 37m, que dois comboios chocaram de frente, em Alcafache, dando origem ao maior desastre ferroviário até hoje em Portugal.

Uma série de erros humanos e a inexistência de meios de comunicação com os maquinistas levou a que mesmo depois de se saber que os comboios corriam, cada um em direcção ao outro, se pudesse evitar a tragédia.

Os comboios chocaram a alta velocidade, de frente, elevando a temperatura a mais de mil graus Celsius. Derreteram as carruagens e derreteram os cadáveres.

 

alcafache_1.jpg

Nessa noite, nas televisões, ainda a preto e branco, surgiu o jornalista Rui Romano que deu a notícia a chorar no ecrã da televisão de cada um de nós. Falou na possibilidade de mais de 600 mortos.

A revolução do 25 de Abril tinha acontecido há mais de onze anos, mas a censura permanecia e a glasnost ainda estava para vir.

Rui Romano desapareceu dos noticiários da televisão.

 

alcafache_2.jpg

O Ministério da Justiça deu ordem para que todos os mortos não identificados fossem enterrados em vala comum, naquele mesmo local, menos de quarenta e oito horas passadas desde o choque dos comboios. Mais tarde seria construído um monumento sobre os cadáveres ou partes de cadáveres depositados.

Mário Raposo era o Ministro da Justiça do IX Governo Constitucional chefiado por Mário Soares.

O número oficial de mortos foi de 49!

Algumas pessoas foram consideradas desaparecidas.

Uma vergonha.

Regozijaram as seguradoras, porque não havendo mortos (só 49!) não havia indemnizações a pagar.

Não havia registo de passageiros. Alguns viajavam de pé.

O julgamento deste caso foi sucessivamente adiado por falta de comparência dos implicados, ora um, ora outro. Um dos chefes de estação reformou-se e outro demitiu-se. O caso prescreveu em tribunal e o chefe que se tinha demitido foi readmitido.

Foi um caso muito semelhante ao do Cais do Sodré ao modo como a informação foi ocultado do público, as seguradoras e a CP foram ajudadas pelo Estado a não pagar as indemnizações devidas. A queda das estruturas no Cais do Sodré foi no tempo de Salazar, o choque em Alcafache foi no tempo de Mário Soares.

Quem se lixa é sempre  português, mas o português do povo, a gentinha, aqueles homenzinhos e aquelas mulherzinhas a quem não chega a democracia nem a justiça.

Viva Portugal!

 

Orlando de Carvalho

 

publicado por nivelar-por-cima às 19:49

link do post | comentar | favorito (1)
 O que é? |

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
29
30
31

.posts recentes

. TVI 24 censura Ricardo Ar...

. Rio Ave

. Dia de Anos

. Filarmónica Fraude

. Pressa de chegar ao céu

. Avós caducos

. Pais da geringonça luso-v...

. República de Vigaristas (...

. Em cadeira de rodas, mas ...

. Contra os pais. Contra a ...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Setembro 2013

. Agosto 2013

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Fogo em Alcafache

blogs SAPO

.subscrever feeds